Meio Ambiente/Portfólio/Sustentabilidade

Da terra à mesa: os desafios da segurança alimentar

*Texto publicado originalmente na Revista Fenae Agora no.62 – ano 2010. 
Mesa farta todos os dias nem sempre garante a segurança alimentar de uma família. Alimentar-se com segurança inclui práticas alimentares promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam social, econômica e ambientalmente sustentáveis. Essa é a definição que norteia os trabalhos desenvolvidos pela Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional (Sesan) do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Ainda há um longo caminho para que a produção de alimentos com técnicas menos agressivas ao meio ambiente seja uma prática constante no Brasil. Veja a seguir alguns problemas apontados por Vania Pimentel, professora de agroecologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) e mestre em desenvolvimento rural.

Grandes Lavouras
Desde 1500, o Brasil adota como modelo predominante de agricultura o sistema de plantation (grandes lavouras), em grandes extensões de terras e mão-de-obra subempregada. Árvores são derrubadas aos milhões, na floresta Amazônica, para dar lugar à soja. É possível frear o desmatamento? No Cerrado ele alcança o patamar de mais de 50% também para dar lugar à soja. Mesmo assim o país comemora safras recordes, não se importando com a destruição de ecossistemas. Será que o equilíbrio da balança comercial é mais importante do que a conservação do Cerrado e da Amazônia?

Acesso à terra
“Dados do Censo do IBGE 2006 apontam para uma estrutura agrária ainda muito concentrada: estabelecimentos não-familiares apesar de serem apenas 15,6% do total, ocupavam 75,7% da área e sua área média era de 309 hectares enquanto a dos estabelecimentos familiares 18,37 hectares. Nossa sociedade está disposta a forma de distribuição de renda e de terra?

Agrotóxicos
“O Brasil comemorou, em 2008, a posição de maior consumidor mundial de agrotóxicos, e continua usando produtos já proibidos em vários países (como EUA, Japão, China e nações da União Europeia) por causarem impactos à saúde e ao ambiente.

Produção Sustentável
Apesar de utilizar uma área menor com lavouras (17,7 milhões de hectares), a agricultura familiar é a principal fornecedora de alimentos básicos para a população brasileira. Com apenas 24,3% da área ocupada, sua rendimento chega a 80% da produção de mandioca, 70% da produção de feijão, 46% da de milho, 38% de café, 34% de arroz, 28% do trigo e 16% de soja. A agricultura familiar ainda é importante fornecedora de proteína animal, produzindo 58% do leite, 50% das aves, 59% de suínos e 30% de bovinos. Mas como aumentar o número de agricultores familiares no campo e pensar em uma forma sustentável de produzir alimentos?

Os consumidores têm um papel cada vez mais importante. “Não se tem mais o vínculo da produção com o consumo. É preciso resgatá-lo para ter um cardápio mais nutritivo e para que os agricultores sejam mais valorizados” destaca Vania Pimentel.

Ela reconhece que o atual governo vem promovendo ações positivas e que é preciso potencializar as experiências de produção de base ecológica como alternativas concretas de agriculturas sustentáveis. Mas para ela, ainda é preciso implantar políticas públicas voltadas para a promoção da transição do atual modelo agrícola para uma produção orientada para a agroecologia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s